Despedida

A árvore começa o ritual de exalação
O grilos tritinam
Intercalando com os ratos no telhado
Minha solidão dorme ao meu lado na cama
É nossa última noite.
Amanhã deixo ela.
Deixo ela, o cobertor frio e a carta.
Não volto nem com reza brava.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *