Texto Fantasma

00:15

Mais uma vez, o cursor piscava desesperadamente na tela do computador.
A música de fundo sorria da cena deprimente: “Just a little patience…”. O copo de café pela metade, as mãos juntas num ritual desconhecido, o olhar distante: meio cansado, meio viajante.

00:30

Mais uma vez, a procura pelas palavras certas no momento errado.
A melodia assoviada parecia zombar da situação, aquilo não era nada tranqüilo e calmo. Apesar do silêncio do lado de fora, a cabeça gritava velhos versos e poesias. Por que quando se quer escrever algo novo, as idéias já usadas vem à cabeça? Não pareciam servir pra nada.

01:00

Mais uma vez, o corpo tenso.
O backspace sendo esmurrado a cada frase mal desenhada. “Não é isso que eu quero dizer!”, o sentimento é sempre muito maior que as palavras, e esse bendito gosto pela escrita que não deixa a tela preta assumir o lugar desse branco – hoje, tão assustador.

01:30

Mais uma vez, uma página.
Uma maldita página que, sozinha (coitada), conseguia destruir tudo o que não foi escrito. A música parou, o café acabou, o ar esfriou. E agora, José?

02:00

Mais uma vez, os motoqueiros começam a curtir a festa.
Todos drogados e felizes, irritando a vizinhança e, aqui dentro, fazendo a cabeça começar a latejar. Ah, não! Só mais um pouquinho! Só mais uns minutos de saúde, antes da derradeira explosão da dor noturna. Os lábios contraídos em sinal de alerta, qualquer coisa que sirva de médium para o coração, qualquer coisa serve.
Mais uma estrofe. Mais um estrago. “Mais café, por favor!”

02:30

Mais uma vez, os olhos percorrem o quarto.
Não pode ser tão difícil assim descrever uma sensação. Não pode ser tão complicado assim ler o coração! Mas é. De repente, uma constatação: o amadurecimento. Os versos pateticamente rimados da adolescência já não servem mais. Uma surpresa tão boa quanto a dessa noite merece coisa melhor que uma recompensa adolescente, ou assim, tão desconexa e confusa, como a mente que escreve esse texto.

03:00

Mais uma vez, a releitura da página escrita, na busca do engajamento literário.
Nada.
As batidas agudas na cabeça aumentam, os cílios superiores criam, de repente, uma atração avassaladora para com os cílios inferiores. A razão (e o que resta da consciência) fica dividida entre a persistência e o aviso de que a jornada de trabalho está próxima.

03:15 (ou 03:30, quem sabe…)

Mais uma vez, a decepção com a perseverança, abatida pela borracha da incapacidade criativa (a essa altura, mais parecida com uma insensibilidade emocional). Mouse movido para o canto superior da tela. E o clique no “x” do desassossego.
“Deseja salvar as alterações?”
Nenhuma vale a pena ser salva.

Finalmente, mais uma vez, o escuro psicodélico dos sonhos e os flashes felizes do desejo.
Quem dera esses pudessem ser salvos…

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *