A Justificada

Falavam (e ela não negava) que era
Crassa, insensata, néscia, chata.
Mas a pirada se auto-perdoava
Pois tinha na manga uma palavra que tudo justificava:
Inata.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *