Sou

Resgatando mais um poema da poeira nos meus papéis …
_

Nada mais que a importância
Dessa insignificância
Que recobre o meu ser
Sou o não entender nada
Disso que vive em mim

Essa pele que reveste
Este corpo que me assola
Nessa mente que vigora
No espírito que outrora
Não foi de ninguém

Esse rosto que abriga
Esses olhos que envoltam
Essa íris distorcida
Dessa visão distinta
Do nada que nunca foi

Essas mãos desesperadas
Nessa busca retratada
Nesses versos sufocantes
Essas voltas tão errantes
Que descobrem-se amantes
Da matéria esquisita: Eu.

Sou o que fui, e o que serei
Mas nunca o que já sou
Nesse contrato vitalício
Dessa mutante arte de redescobrir-me
É que se encaixa a minha existência

Essa sou.

Escrito em 15/07/2008 ( 14:58pm)

4 thoughts on “Sou

  1. nada sou nada posso nada sigo trago por ilusão meu ser comigo não compreendo compreender nem sei se hei de ser sendo nada o que serei como diria pessoa

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *